quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Os Jovens Milionários de Renê Terra Nova

Igor Domanni

Me surpreendi ao ver, na comunidade cristã onde congrego, alguns jovens que diziam ter ido a um congresso de uma certa Aliança Jovem Internacional e que lá o "apóstolo" tinha dito [com cunho profético] que Deus iria levantar 12 milionários por estado e que estes iriam sustentar o Brasil.

Claro, com a melhor das intenções. Esses jovens não irão ser apegados ao dinheiro e irão manter ministérios e mais ministérios.

Mais impressionado [e triste] fiquei ao conversar com amigos sobre tal profecia e perguntar se tal teria uma base bíblica, algum fundamento em Cristo, enfim, se essa profecia realmente pode ser levada a sério?

E a resposta foi que nem tudo precisa ter base bíblica.

Ao insistir arguindo se Cristo, em sua passagem pela terra, fundamentou em algum momento tal ideia, a resposta foi que com Jesus o lance era diferente, porque ele se fez pobre para nos enriquecer! E que Jesus não disse que era impossível um rico entrar no Reino dos céus, era só muito difícil. Bom, eu nunca fui muito aventureiro mesmo...

Ao insistir mais ainda, lembrando a vida da igreja primitiva, onde todos repartiam tudo e nada tinham de si mesmos mas era tudo de todos. Uma pessoa argumentou (e não sofreu contra argumento de ninguém além de mim) que esse estilo de vida era só daquela época. Afinal eles pensavam que Jesus realmente voltaria logo (coitadinhos), por isso vieram com essa história de repartir tudo. Hoje, Deus quer que seus filhos sejam ricos e estejam nos maiores status da sociedade.

O que eu fiz? parei de argumentar. O que disse eles ouviram. Meus argumentos não fugiram da Palavra de Deus, de Cristo. Se eles insistem em relevar isso, tenho pena deles, pensam que estão no caminho certo mas não estão. Não há caminho fora do Caminho. O Caminho é Cristo. A Luz veio a nós mas os homens a desprezaram.

PS: sobre o "ele se fez pobre para nos enriquecer" está em 1Coríntios 8.9 Mas é só ler o contexto, voltando lá no começo do capítulo para que se entenda: o que Paulo estava falando da igreja da Macedônia, de como eles eram pobres financeiramente e mesmo assim, entregando tudo o que tinham para (provavelmente) financiar uma viagem dele. Veja os versículos 2 ao 4.


"Como em muita prova de tribulação houve abundância do seu gozo, e como a sua profunda pobreza abundou em riquezas da sua generosidade. Porque, segundo o seu poder (o que eu mesmo testifico) e ainda acima do seu poder, deram voluntariamente. Pedindo-nos com muitos rogos que aceitássemos a graça e a comunicação deste serviço, que se fazia para com os santos."

Para mim isso é muito mais uma gente sem recursos que pela Graça de Deus, por milagre mesmo dá e mesmo assim nada lhes faltam. Pela generosidade do coração deles.

Mesmo que eu não tenha argumentos para refutar a ideologia posta pelo tal versículo, olhando o corpo do texto, o contexto, a coisa muda de figura.

"Se alguém ensina alguma outra doutrina, e se não conforma com as sãs palavras de nosso Senhor Jesus Cristo, e com a doutrina que é segundo a piedade, é soberbo, e nada sabe, mas delira acerca de questões e contendas de palavras, das quais nascem invejas, porfias, blasfêmias, ruins suspeitas, contendas de homens corruptos de entendimento, e privados da verdade, cuidando que a piedade seja causa de ganho; aparta-te dos tais. Mas é grande ganho a piedade com contentamento. Porque nada trouxemos para este mundo, e manifesto é que nada podemos levar dele. Tendo, porém, sustento, e com que nos cobrirmos, estejamos com isso contentes. Mas os que querem ser ricos caem em tentação, e em laço, e em muitas concupiscências loucas e nocivas, que submergem os homens na perdição e ruína. Porque o amor ao dinheiro é a raiz de toda a espécie de males; e nessa cobiça alguns se desviaram da fé, e se traspassaram a si mesmos com muitas dores." [1 Timóteo 6:3-10]

domingo, 26 de dezembro de 2010

O PASTOR DE CRENTES

“E ele (Cristo) designou alguns para apóstolos, outros para profetas, outros para evangelistas, e outros para pastores e mestres, com o fim de preparar os santos para a obra do ministério, para que o corpo de Cristo seja edificado...” (Efésios 4.11,12)


“E ele (Cristo) designou alguns para apóstolos, outros para profetas, outros para evangelistas, e outros para pastores e mestres, com o fim de preparar os santos para a obra do ministério, para que o corpo de Cristo seja edificado...” (Efésios 4.11,12)


Uma das imagens mais ricas de gente e liderança, na Bíblia, é de ovelhas e pastor.

Dirigentes políticos (reis e imperadores) são havidos como pastores de seu povo. Deus chama o imperador Ciro de “Ciro meu pastor”.
"Assim diz o SENHOR, o seu redentor... que diz acerca de Ciro: Ele é meu pastor, e realizará tudo o que me agrada; ele dirá acerca de Jerusalém: 'Seja reconstruída', e do templo: 'Sejam lançados os seus alicerces'”. (Isaías 44.24a e 28).
Em Jr 3.15, lemos:
“Então eu lhes darei governantes (pastores) conforme a minha vontade, que os dirigirão com sabedoria e com entendimento”.

Pastores são líderes religiosos:
O papa, cardeais, os bispos e os párocos são “pastores” para os católicos.
O Pastor, conforme a teologia pastoral católica, e também a evangélica, é o “homo Dei”, “angelus Domini”, o “minister Christi”.
O pajé para a tribo indígena, o rabino para os judeus; o íman, para os muçulmanos; os gurus para religiosos hinduístas e outros constituem “pastores”, líderes religiosos.
Temos no NT “pastores” ou “bispos” como líderes das comunidades cristãs ou dos crentes e suas qualificações se encontram nas epístolas a Timóteo e Tito.


Pois bem. Quem é o “pastor de crente”?
Nesta mensagem, bem a propósito do DIA DO PASTOR, tem duas partes: a primeira diz o que o pastor de crente não é; a segunda, o que ele é, à luz do NT e da história da igreja.

QUÊ O PASTOR DE CRENTE NÃO É?
Pastor de crente não é dominador da consciência dos crentes, nem dono do rebanho, porque este pertence ao Senhor.
Pastor de crente não é guru que tenha de ter consultado cada dia, sobre cada passo que o tenha de dar.
Pastor de crente, verdadeiro pastor, não é explorador da credulidade das pessoas e nem delas manipulador, sendo sua força o exemplo e a fidelidade à Palavra de Deus.
É preciso distinguir “pastores” e “pastores”.
Pastor verdadeiro não é dono de igreja, nem mercadejador da Palavra de Deus ou empresário da fé.
QUÊ É O PASTOR DE CRENTE – UM VERDADEIRO PASTOR:
Verdadeiro pastor de crente tem consciência de que o Rebanho, pequeno ou grande, pertence a Jesus Cristo, por isso não é dominador, mas, sim, exemplo para a igreja que o Senhor lhe confiou.
Todo pastor diz como Paulo: “Dou graças a Cristo Jesus, nosso Senhor, que me deu forças e me considerou fiel, designando-me para o ministério”. (I Timóteo 1.12)
Verdadeiro pastor de crente é servo ou ministro de Cristo (I Co 3.5; 4.1), e presente do Senhor à igreja (Ef 4.11)
Verdadeiro pastor de crente tem consciência de que é servo-líder e capacitador dos crentes, de modo que eles cumpram cabal e eficazmente seu ministério na igreja e no mundo (Ef 4.11)

Verdadeiro pastor de crente é instrumento de Deus para discipular os que creem e mentorear os líderes atuais e a liderança emergente da igreja.
Verdadeiro pastor de crente sabe que recebeu do Senhor o ministério da Palavra, e deve exercê-lo mediante a proclamação de Cristo, exposição das Escrituras Sagradas, o ensino e a exortação, fiel ao que dispõe a Palavra:
2 Tm 2.15 - “Procure apresentar-se a Deus aprovado, como obreiro que não tem do que se envergonhar e que maneja corretamente a palavra da verdade”.
2 Tm 4.2 – “Pregue a palavra, esteja preparado a tempo e fora de tempo, repreenda, corrija, exorte com toda a paciência e doutrina”.
Verdadeiro pastor de crente sabe que tem a responsabilidade de liderar o povo de Deus na adoração, promover a comunhão e motivar para o testemunho cristão e o serviço a Deus e à comunidade.
Verdadeiro pastor de crente tem consciência de que deve trabalhar em prol da unidade e integridade da igreja, e da edificação de seu povo e o preparo doutrinal e espiritual dele para enfrentar os vendavais e tsunamis de heresias e mentiras que arrastam os incautos, imaturos e inseguros na fé.
Verdadeiro pastor de crente ambiciona levar seu povo à busca de crescimento em conhecimento, graça e santidade, tendo por alvo a estatura do Varão Perfeito, Jesus.
CONCLUSÃO: Louvado seja o Deus trino que providenciou pastores para o seu povo!



Pr. Irland P. Azevedo

sábado, 25 de dezembro de 2010

QUANDO DEUS ESTÁ DO LADO DE FORA.

Eis que estou a porta, e bato. Se alguém ouvir a minha voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa, e com ele cearei, e ele comigo. (Apocalipse 3:20)


João, o apóstolo teve uma visão que Jesus lhe mostrara concernente ao que aconteceria nos últimos dias, tendo recebido de seu Senhor a revelação escreveu sete cartas aos sete pastores das sete igrejas da Ásia. Em todas as cartas Deus alertava as sete igrejas quanto ao arrependimento e também elogiava os quanto a sua fidelidade.

O que me chama a atenção em todas essas cartas é que em uma das igrejas conhecida como igreja de Laodicéia, Deus já não era bem vindo nas suas reuniões, Ele se encontrava do lado de fora batendo a porta querendo entrar e fazer parte do culto. Os laodicenses estavam cegados de tal forma que já não conseguiam sentir, ver e ouvir Deus.

Muitas igrejas que conhecemos desde aquela mais pentecostal até aquela que é mais tradicional estão passando por esse mesmo problema, algumas de um modo desapercebido, outras posso até dizer que é por dureza de coração de seus lideres que sabem que estão mais agradando seus membros do que Deus que é o merecedor de nosso culto.

O alerta de Deus tanto para a igreja de Laodiceia quanto para as dos dias atuais é o arrependimento prematuro, ou seja, arrepender antes daquele grande dia, Deus dá o seu diagnóstico dizendo que a igreja não é quente e nem fria, mas morna causando em Deus ânsia de vomito, pensavam ser afortunados, mas na ótica de Deus não passavam de uns miseráveis, pobres, cegos e nus.

Deus exorta essa igreja ao arrependimento e a volta ao primeiro amor como um pai que exorta e castiga a todos quanto ama.

A igreja do hoje está passando pelo mesmo problema de outrora, muitos pensam possuir quando não possuem nada, acreditam ser quando na verdade são uns miseráveis pobres cegos e nus precisando do atendimento e do perdão de nosso Senhor Jesus Cristo.

Deus está do lado de fora de muitas reuniões ditas evangélicas, sua presença já não é bem vinda em muitos cultos, até desejam, porém se preocupam mais com seus desejos humanos e com a presença de pessoas ilustres do que com a presença de Jesus. Em muitas igrejas Deus está do lado de fora batendo a porta querendo entrar, porem seus lideres e membros já não conseguem: Ouvir Deus batendo a porta: Estão acostumados com a liturgia do culto que se tornou normal sentar, cantar, pregar e sair das reuniões sem ouvir Deus falar, ouvem mais homens com suas carnalidades a flor da pele e com seus discursos terapêuticos e mensagens de auto ajuda que em nada edificavam a igreja, antes ensinam que todas as coisas podemos pela fé na fé e não em Deus e na sua palavra.

Sentir a ausência de Deus nas suas reuniões: Os desejos humanos tem grande valia em muitos templos que o interessante é a satisfação dos membros e não a do convidado maior. Tudo é feito para entreter o auditório presente desde que satisfaça a alegria dos colaboradores. Estilos musicais, formas teatrais e até mensagens suaves e doces são empregadas em reuniões sem ao menos perceber que Deus se encontra do lado de fora.

Adorar a Deus com Integridade e Fidelidade: Os desejos humanos tem se tornado muito forte ao ponto dos crentes já não conseguirem adorar a Deus como antigamente, uma adoração fingida, interesseira onde coloca Deus na parede forçando a dar das suas bênçãos a todo custo, outros usam formas mágicas de enriquecimento a base da fé e da falácia. Canta-se para alegrar os presentes e não para cultuar a Deus.

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

PASTORES VOADORES

"É necessário que ele cresça e que eu diminua." (João 3-30)

Quero deixar claro que não sou contra a pessoa do pastor e de nenhum pastor, eu estou colocando o que está acontecendo.
Ao ler a matéria da revista “Cristianismo Hoje – n. 1 ano II – pastores voadores” eu fiquei com o coração apertado, chorando por dentro e lembrando que algumas vezes eu mesmo vi pedidos de ofertas para investir em evangelização.
Não digo que não é investido em evangelismo, mas poderia ser integral no evangelismo.


Outros ofertam crendo que aquela promessa de prosperidade feita pelo homem de Deus chegue até a sua casa para que a fome dê lugar ao pão na mesa. Alguns com um coração aberto e crendo que isso é correto devido a falta de conhecimento, mas é claro que tem muitos que ofertam para barganhar com Deus.


O que mais dói é que para pedir ofertas existe um discurso todo preparado e voltado para a evangelização, mas depois que estão com o dinheiro no bolso não presta contas com ninguém e critica aquele que fala sobre suas aquisições com o dinheiro do povo.


Foi assim que muitos líderes evangélicos compraram aviões, redes de TV, é desta forma que montam as diversas caravanas para Israel e acumulam riquezas nesta terra. Será que os aviões são estratégias evangelísticas ?
A prosperidade Financeira prometida é de quem? Deles ou dos que ofertam?
Será que os folhetos serão jogados pelas janelinhas do avião eclesiástico?


Nem todo mundo vive nas nuvens, ao virar a página da revista, percebemos que o sonho de um missionário e um sonho de um pastor em seu estrelato é bem diferente.


A matéria “O Socorro na Dor” , uma iniciativa do missionário Sérgio Murilo da Silva em criar e construir um lugar de esperança para quem sente a dor no seu corpo, um lugar de atendimento fisioterápico gratuito – sem que ninguém pague 900 reais para ser atendido.


Enquanto alguns estão aproveitando as ofertas para comprar aviões, outros estão tomando a iniciativa para levar um atendimento aos pobres sem ter que fazer uma conferência onde pregadores internacionais incentive uma campanha de doações e ofertas para que o sonho do pastor seja realizado.


Sonho de missionário não é o mesmo sonho de pastor da prosperidade


A matéria do missionário está registrada na pág 23 da revista: "Sergio teve um sonho: “poder servir a comunidade onde vivia – Se eu mesmo não fizesse alguma coisa, quem de fora ia fazer?”


Depois de ter sofrido um acidente e saber como é difícil não ter acesso a saúde privada, ele decidiu realizar o seu sonho que é dar aos necessitados um pouco de amor, já que muitos pastores estão preocupados com outras coisas.


Agora que você conheceu o sonho de um missionário que vive na periferia e quer ajudar o pobre e necessitado e conhece o sonho de muitos pastores, apóstolos e líderes evangélicos pelo seu aviãozinho particular – pergunto a você: Qual seria o sonho de Jesus ? Qual dos dois sonhos Jesus apoiaria?


Jesus apoiaria o sonho de quem?


Rene Terra Nova, um dos propagadores do M12 comprou o seu avião com o apoio de um pastor conhecido internacionalmente,Mike Murdock, que em 2009 incentivou uma campanha de doações a fim de que Terra Nova pudesse realizar o seu sonho – Após chamá-lo à frente, Mike Murdock disse que ele mesmo ofertaria 10 mil reais, a atitude foi seguida por dezenas de pessoas.


Mesmo constrangido pela situação, Terra Nova disse que aquele era o seu desejo e que ele se submeteria ao que considerava ser a vontade de Deus.


Enquanto pastores e Bispos têm acesso ao seu avião privado, outros não têm acesso nem a saúde privada.


O problema não é ter um avião, um supersônico, um foguete, mas é como estas “bênçãos” chegaram até estes líderes.


Sem dúvida, a maior surpresa foi o que aconteceu no programa do pastor Silas Malafaia devido ele ser um pastor que lutou contra a teologia da prosperidade, contra o G12 e contra as diversas heresias de ofertas abusivas de outros ministérios.


Mas hoje, ele mesmo vende em seus programas a bíblia da prosperidade que Morris Cerullo comentários e estudos.


Além de vender a bíblia, Morris Cerullo fez um pedido de oferta voluntária mas com um preço estipulado de 900 reais,
MAS QUAL É A PRESTAÇÃO DE CONTAS?


Não existe prestação de contas, aquele que quer saber é considerado um crítico que tem inveja do sucesso dos outros.


O pastor Silas Malafaia responde aos críticos da seguinte forma: “Quem critica não faz nada. Você conhece alguma coisa que algum crítico construiu? Crítico é um recalcado com o sucesso da obra alheia.”


Mas eu queria fazer outra pergunta: Você conhece algum crítico que comprou um avião com pedidos de ofertas para evangelização?


Eu fico me perguntando: Se para pregar em outras igrejas os pastores pedem uma oferta que dá para pagar as passagens de avião, para ficar em um belo hotel e não gastam nada, pelo contrário, ganham mais do que muitos cristãos ganham no mês para sustentar sua família – Para que ter um avião?


É verdade, o crítico não faz nada e não faz o que muitos pastores fazem – eles não tem coragem de fazer pedidos de ofertas voluntárias com o valor estipulado – não participam de congressos e reuniões onde os pregadores instigam o povo a dar seus bens, suas posses e ofertas supersônicas.


Eu prefiro ser crítico e pregar o evangelho da graça do que fazer do evangelho o meu aviãozinho.


As vezes queremos ser como o pregador “A”, o Conferencista “B’, ser como o profeta “C’ ou o apóstolo “D”,mas nunca queremos ser como um missionário que não pensa nele mesmo, mas nas vidas que estão em sua volta.


Sabe o porquê o missionário pensa no próximo e alguns pastores pensam em bens materiais?


Porque o escritório pastoral muitas vezes é aconchegante, confortável, tira a verdade do mundo e empurra os problemas para fora.


O missionário pensa no próximo porque o seu escritório é a RUA!


A rua do bairro onde vive, o seu relacionamento é com aqueles que querem apenas a atenção, um prato de comida e alguém que olhe para ele e o abrace.


Para quem acha que não precisa de ninguém e está por cima de tudo e de todos, deixo uma passagem de apocalipse:


Apocalipse 3 v. 17-18 :Porquanto dizes: Rico sou, e estou enriquecido, e de nada tenho falta; e não sabes que és um coitado, e miserável, e pobre, e cego, e nu; aconselho-te que de mim compres ouro refinado no fogo, para que te enriqueças; e vestes brancas, para que te vistas, e não seja manifesta a vergonha da tua nudez; e colírio, a fim de ungires os teus olhos, para que vejas.


Chego a conclusão que o sonho de um missionário vale mais que o sonho de muitos pastores que fazem do Evangelho a sua empresa particular. Eu sou pastor, mas prefiro sonhar como missionário.


Graças a Deus, nem tudo está perdido.


Ainda sobram os remanescentes, aqueles que buscam a verdade, o perfeito e simples Evangelho de Cristo, sempre tendo a esperança maior no Senhor e dizendo como o profeta Habacuque: "Porque ainda que a figueira não floresça, nem haja fruto na vide; ainda que decepcione o produto da oliveira, e os campos não produzam mantimento; ainda que as ovelhas da malhada sejam arrebatadas, e nos currais não haja gado; todavia eu me alegrarei no Senhor; exultarei no Deus da minha salvação".




Pr. Alexandre Farias

(OBS) O pior de tudo é que há uma legião de pastores se espelhando nestes espertalhões, que o Senhor tenha misericórdia destas vidas. Muitas vezes fico imaginando se o Senhor Jesus chegasse em seu jumentinho com suas chinelas de tiras de couro empoeiradas próximo de um destes "apostolos " da prosperidade, o quanto seria rejeitado. Misericórdia!
Pr. Flávio Neres

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

A FRAUDE DO ESPIRITISMO

Qual a origem do espiritismo?
Desde os tempos antigos o homem buscou o contato com os mortos. A organização do espiritismo foi feita somente no século passado, em 1848, quando nos Estados Unidos, as irmãs Fox divulgaram fatos estranhos atribuídos a contatos com o além. Durante muitos anos as irmãs Fox percorreram o mundo divulgando as suas experiências. Todavia, em 1888, as mesmas irmãs Fox, em entrevistas dadas a um jornal americano, revelaram ser tudo uma fraude (mentira inventada). Neste meio tempo, na França, um homem conhecido como Allan Kardec, influenciado por esta corrente de pensamento, publica em 1857 o “Livro dos Espíritos”. Esta é a data tida como da fundação do espiritismo Kardecista.

O que pretende o espiritismo?
O espiritismo se apresenta como a verdadeira religião. Ele se considera a terceira revelação. A primeira foi dada a Moisés, a segunda a Jesus e a terceira através dos espíritos. Portanto, para os espíritas a Bíblia contém uma mensagem “de valor secundário, ou revogada e sem valor algum, em 90% do seu texto”. (Reformador – órgão oficial do espiritismo no Brasil – de 01/09/1953, p.23.)
Estes dois pontos (verdadeira religião e pouco valor à Bíblia) nos fazem lembrar a segura e severa orientação de São Paulo em Gl 1,8: “mas ainda que alguém, nós ou um anjo baixado do céu, vos anunciasse um evangelho diferente do que vos temos anunciado, que seja anátema”.
Também é importante lembrar Apocalipse 22,19: “E se alguém dele tirar qualquer coisa, Deus lhe tirará a sua parte da árvore da vida e da Cidade Santa, descrita neste livro”.
Aqui percebemos os primeiros motivos pelos quais o cristão não pode ser espírita.
Existem outros motivos pelos quais o cristão não pode ser espírita?
Sim, vamos citar alguns:
O espiritismo acredita na reencarnação. A Bíblia ensina o contrário. Hb 9,27: “Como está determinado que os homens morram uma só vez, e logo em seguida vem o juízo”.
Quando alguém acredita na reencarnação, nega o que Jesus fez por nós na Cruz. Ef 1,7: “Neste filho, pelo seu sangue, temos a redenção, a remissão dos pecados, segundo as riquezas de sua graça…”.
Observe que se a pessoa acredita na reencarnação, ela torna em vão o sacrifício de Cristo. Pois se a pessoa precisa reencarnar está afirmando que a obra de Jesus não foi suficiente. E a Palavra de Deus afirma que só o sacrifício de Cristo possui o poder de nos salvar. Hb 10,10: “Foi em virtude desta vontade de Deus que temos sido santificados uma vez para sempre, pela ablação do corpo de Jesus Cristo”. Hb 10,14: “Por uma só oblação Ele realizou a perfeição definitiva daqueles que recebem a santificação”.
A doutrina espírita não acredita no poder redentor da Cruz de Cristo. Leão Denis, um espírita, em seu livro “Cristianismo e Espiritismo”, na página 88, afirma: “A missão de Cristo não era resgatar com o seu sangue os crimes da Humanidade. O sangue, mesmo de um Deus, não seria capaz de resgatar ninguém. Cada qual deve resgatar-se a si mesmo…”.
Um cristão não pode acreditar nestas palavras de Leão Denis, pois em 1Pd1,18 está escrito: “Porque vós sabeis que não é por bens perecíveis como a prata e o ouro, que tentes sido resgatados da vossa vã maneira de viver, recebida por tradição de vossos pais, mas pelo precioso Sangue de Cristo”.
Outro textos contra a reencarnação:
• Lucas 16, 19-31 – A parábola do Rico e Lázaro;
• Lucas 23,43 – As palavras de Jesus ao bom ladrão;
• Ecl 11,28 – Afirmar que o Senhor atribuirá a cada um segundo as suas obras.

Além da reencarnação, existem outros pontos do espiritismo contrários aos ensinamentos da Bíblia?
A evocação ou consulto aos mortos. Em Dt 18,11-12 e em Lc 16,27-31 vemos claramente a proibição dada por Deus e confirmada por Jesus.
O espiritismo não acredita na Santíssima Trindade, mas somente em um Deus uno.
O espiritismo se apresenta, conforme declaração da Federação Espírita Brasileira, como religião “sem ritos, sem liturgia, sem sacramentos”. Tal afirmação faz com que a Igreja não tenha mais sentido. E isto contraria a vontade de Jesus em Mt 16,19-19.
Fora estes motivos, vemos que a Bíblia é contra qualquer prática espírita: Lv 19,31 – Lv 20,6 – Lv 20,27.
Em 1Cr 10,13 vemos a explicação dada para a morte do rei Saul: “Saul morreu por causa da infidelidade, da qual se torna culpado contra o Senhor, não observando a Palavra do Senhor e por ter consultado necromantes”.

Como explicar os fenômenos espíritas? Será que de fato os espíritos baixam?
Começamos esta explicação com uma afirmação de Allan Kardec, um dos fundadores do espiritismo: “Posso dizer que nestes 40 anos quase todos os médiuns célebres passaram por meu salão e quase todos surpreendi em fraude”.
Ao lado desta colocação existem as experiências feitas em sessões espíritas em sua maioria concluem: “Não existem provas da presença de espíritos, pois os espíritos nunca puderam provar que sabem qualquer coisa”. Ao contrário, existem provas de que muitas das chamadas revelações espíritas no campo da ciência, por exemplo, feitas por Allan Kardec, estavam cheias de erros. Tanto é verdade que as explicações dadas pelos próprios espíritas confirmam o que acabamos de dizer. Explicações sobre erros de Kardec: “As revelações de Allan Kardec não passam de suas idéias, impostas aos médiuns e por ele depois corrigidas”. Todavia, não podemos cair no extremo de afirmar que tudo é mentira ou embuste.

Então existe a manifestação de espíritos?
Aqui é preciso ter claro dois pontos?
a) Algumas incorporações (baixar espíritos) não passam de um condicionamento psíquico produzido pela própria pessoa ou pelo ambiente do centro espírita ou do terreiro.
b) Existem aquelas manifestações de espíritos que são manifestações de maus espíritos. Os espíritas geralmente dizem: “Existem bons e maus espíritos, nós lidamos somente com os bons”. O que é uma contradição, pois os bons espíritos conhecem a Palavra de Deus, e não a desobedecem.
A Bíblia diz que existem anjos que pode com a permissão de Deus, comunicar-se conosco. Por exemplo, em Lc 1,26ss, o anjo Gabriel que é enviado a Maria, mãe de Jesus.
A diferença entre esta aparição bíblica e o que acontece nos centros ou terreiros é evidente: Maria não evocou (chamou o anjo) e nem incorporou, ele foi enviado por Deus; já nos centros e terreiros os espíritos são evocados, e isto é proibido pela Palavra de Deus. (Dt 18,10-14 – Lv 19,31 – Lv 20,6 – Lv 20,27).
Existe o perigo de contaminação pelas forças do mal, para as pessoas que se envolvem com estas obras?
Segundo o Dr. Philippe Madre, psiquiatra, em seu livro “Pai, livra-nos do mal”, as práticas mágicas têm um efeito destruidor no equilíbrio psíquico do homem. Isto significa que as pessoas que buscam ou possuem objetos ligados a estas práticas estão sujeitas a sua influência. E aí entra a responsabilidade do homem, pois facilmente as pessoas lançam tudo nas costas do demônio.
A atitude correta é não se envolver com estas práticas e destruir todos os objetos a elas ligados (livros, objetos, roupas, amuletos…), e estar unidos a Jesus, pela prática da sua Palavra.

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

CUIDADO IGREJA COM AS HERESIAS!!!

O Apóstolo Renê Terra Nova, tem ensinado aos seus discipulos que o cristão deve preservar a identidade do seu líder. Para o Paipóstolo, o liderado nunca deve questionar a identidade de seu mentor. Segundo o Patriarca apostólico no dia em que João Batista fez isso, perdeu a cabeça. "Ele que havia preparado o caminho de Jesus, que era primo de Jesus, mas que perdeu o legado da identidade de Jesus, quando entrou na rota da suspeita da identidade de seu líder. “Herodes questionou a identidade de Jesus e foi comido por bichos. João Batista questionou a identidade de seu líder Jesus e por isso perdeu a cabeça. Todo aquele que duvida da identidade do líder perde a legitimidade e o legado da liderança de Jesus”, disse o Apóstolo."

Caro leitor, vamos combinar uma coisa? onde está na Bíblia que João Batista perdeu a cabeça por ter questionado a identidade de Jesus? E quem disse que João Batista duvidou da divindade de Cristo? Sinceramente isso me cheira a manipulação religiosa das brabas! A impressão que tenho, é que o senhor Terra Nova, está a procura de pretextos para não ser questionado por ninguém, daí a argumentação de que João Batista morreu por ter duvidado do seu líder.

Pois é, como inúmeras vezes compartilhei neste blog, confesso que tenho estado impressionado com a capacidade de alguns dos evangélicos em criar coisas novas.
Infelizmente em alguns dos nossos arraiais o que mais encontramos é o aparecimento de estruturas monárquicas, onde apóstolos em nome de Deus mandam e desmandam na vida alheia. Tais homens, como ditadores da fé, têm feito do rebanho de Cristo propriedade particular. Para piorar a situação em estruturas como estas, é absolutamente comum exigir dos crentes, submissão total. Junta-se a isso o fato de que em nome de Deus, os coronéis da fé rogam “pragas e desgraças” para aqueles que em algum momento da vida se contrapuseram a seus sonhos e vontade.

Pois é cara pálida, cuidado com a rebeldia até porque, segunda a doutrina "terranovesca" aquele que ousar questionar o seu líder, poderá perder a cabeça.

Dias dificeis os nossos!

Pense nisso!

Renato Vargens

A VERDADEIRA PALAVRA DE DEUS.
Onde está na Bíblia que João Batista perdeu a cabeça por ter questionado a identidade de Jesus? E quem disse que João Batista duvidou da divindade de Jesus?

Em primeiro lugar, foi o próprio João Batista quem disse para os seus discípulos quem era Jesus, leia João 1. 29,30:

"No dia seguinte, viu João a Jesus, que vinha para ele, e disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo! É este a favor de quem eu disse: após mim vem um varão que tem a primazia, porque já existia antes de mim. Eu mesmo não o conhecia, mas, a fim de que ele fosse manifestado a Israel, vim, por isso, batizando com água. E João testemunhou, dizendo: Vi o Espírito descer do céu como pomba e pousar sobre ele. Eu não o conhecia; aquele, porém, que me enviou a batizar com água me disse: Aquele sobre quem vires descer e pousar o Espírito, esse é o que batiza com o Espírito Santo. Pois eu, de fato, vi e tenho testificado que ele é o Filho de Deus".

João está testificando de forma inquestionável que Jesus era o Filho de Deus. Tanto que nos vessículos 35 a 46 alguns discípulos de João Batista passaram a seguir a Jesus.

Mas, talvez você pergunte: "João quando estava preso não ficou com dúvidas se Jesus era o Messias que estava por vir?" Pois em Mateus 11:2-6

"Quando João ouviu, no cárcere, falar das obras de Cristo, mandou por seus discípulos perguntar-lhe: És tu aquele que estava para vir ou havemos de esperar outro? E Jesus, respondendo, disse-lhes: Ide e anunciai a João o que estais ouvindo e vendo: os cegos vêem, os coxos andam, os leprosos são purificados, os surdos ouvem, os mortos são ressuscitados, e aos pobres está sendo pregado o evangelho. E bem-aventurado é aquele que não achar em mim motivo de tropeço".

A dúvida aqui não era de João, mas dos seus discípulos. João estava dizendo para os seus discípulos que o tempo dele estava terminando, pois em breve ele iria morrer e os seus discípulos precisavam seguir a Cristo, e mesmo que ele permanecesse vivo, Jesus é quem era o Messias e não ele. Tanto que Jesus operou vários milagres na presença dos discípulos de João exatamente para que eles não tivessem dúvidas de quem Ele era.

Em segundo lugar, João Batista era um homem cheio do Espírito Santo. Ele tinha uma influência sobre as pessoas que não era algo natural, tanto que ele foi-nos apresentado como o Elias que estava por vir (Ml 4.5,6 cf Mt 17.9-13). Assim como o Espírito Santo estava sobre Elias no Antigo Testamento, da mesma forma o Espírito Santo estava sobre João Batista, tanto que eles eram muito semelhantes em matéria de comida e até vestimentas.

A influência de João Batista foi tão forte que foi necessário ele sair de "cena" da forma como saiu, pois se ele permanecesse vivo, provavelmente ele seria um empecílio no ministério de Jesus, não por ele, mas alguns de seus discípulos que provavelmente teriam dificuldade de seguir a Jesus. Você pode observar isso lendo Atos 19.1-7 quando Paulo, mais de vinte anos da morte de João Batista, encontrou discípulos de João lá em Éfeso.

João Batista nunca teve dúvidas de quem era Jesus, aí me vem o Terra Nova nos dizer que João perdeu a cabeça por ter questionado a identidade de Jesus? Destorceu as Escrituras para beneficio próprio. E tem gente que acredita nesse indivíduo. Coitado de quem o segue.

Fique na Paz!
Pr. Silas

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Uma sobrevivente da visão celular de Rene Terra Nova conta TUDO!

Roselaine Perez



Eu tive que digerir depressa demais o amontoado de quesitos que a Visão Celular possuía, parecia que tinha mudado de planeta e precisava aprender o novo dialeto local, e urgente, para conseguir me adaptar.


Ganhar / consolidar / discipular / enviar, almas / células/ famílias, Peniel, Iaweh Shamá, honra, conquista, ser modelo, unção apostólica, atos proféticos, mãe de multidões, pai de multidões, conquista da nação, mover celular, riquezas, nobreza, encontro, reencontro, encontros de níveis, resgatão, Israel, festas bíblicas, atos proféticos, congressos, redes, evento de colheita, prosperidade, recompensa, multidão, confronto, primeira geração dos 12, segunda geração dos 12, toque do shofar, cobertura espiritual, resultado, resultado, resultado, etc...


Era início do ano de 2002 quando fomos a Manaus, eu e meu marido, para recebermos legitimidade, enquanto segunda geração dos 12 do Apóstolo Renê Terra Nova no estado de São Paulo.As exigências eram muitas e muito caras:


•Compra do boton sacerdotal num valor absurdo.


•Hospedagem obrigatória no Tropical Manaus, luxuoso resort ecológico, às margens do Rio Negro, não um dos mais caros, mas “O” mais caro de Manaus (conheci Pastores que venderam as calças para pagar 2 diárias no tal resort e outros que deixaram a família sem alimentos para entrar na fila dos zumbis apostólicos, num Thriller nada profético).
• Trajes de gala Hollywoodianos.
• Participação obrigatória num jantar caro da preula após a cerimônia, tendo como ilustre batedor de bóia nada menos que o Apóstolo Renê e seus cupinchas.
•Tudo isso para ter a suprema dádiva de receber a imposição de mãos do homem, com direito a empurradinha na oração de legitimação e tudo ( uhuu!).


Nem mesmo em festa de socialite se vê exageros tão grandes em termos de exibição de jóias, carros, roupas de grife e todo tipo de ostentação escandalosa.


Hoje, sem a cachaça da massificação na cabeça, sinto vergonha e fico imaginando como Jesus seria tratado no meio daquela pastorada.


Ele chegaria com sandálias de couro, roupa comum, jeito simples, não lhe chamariam para ser honrado, nem tampouco perguntariam quem é o dono da cobertura dele , pois deduziriam que certamente dali ele não era.


Estive envolvida até a cabeça – porém não até a alma – na Visão Celular durante quase 5 anos, em todas as menores exigências fui a melhor e na inspiração do que disse Paulo "...segundo a justiça que há na lei dos Terra Nova, irrepreensível."




Entreguei submissão cega às sempre inquestionáveis colocações e desafios do líder, sob pena de ser rebelde e fui emburrecendo espiritualmente.


Me pergunto sempre por que entrei nisso tudo e depois que este artigo terminar talvez você me pergunte o mesmo, mas minha resposta tem sempre as mesmas certezas:


--> Todos nós precisamos amadurecer e, enquanto isso não acontece, muitas propostas vêm de encontro às fraquezas que possuímos e que ainda não foram resolvidas dentro de nós.


A partir da minha experiência pude enxergar as três principais molas propulsoras que fazem funcionar toda essa engrenagem:


1) A lavagem cerebral


A definição mais simples para lavagem cerebral é “conjunto de técnicas que levam ao controle da mente; doutrinação em massa”.


Em todas as etapas da Visão Celular se pode ver nitidamente vários mecanismos de indução, meios de trabalhar fortemente as emoções onde o resultado progressivo desta condição mental é prejudicar o julgamento e aumentar a sugestibilidade.


Os métodos coercivos de convencimento, os treinamentos intensos e cansativos que minam a autonomia do indivíduo, os discursos inflamados, as músicas repetitivas e a oratória cuidadosamente persuasiva são recursos que hoje reconheço como técnicas de lavagem cerebral, onde há mudanças comportamentais gradativas e por vezes irreversíveis.


2) Grandezas diretamente proporcionais


O Silvio Santos manauara é uma incógnita.Se em por um lado ele é duro e autoritário, noutro ele é engraçado, carismático e charmoso. Num dos Congressos em Manaus, me levantei da cadeira para tirar uma foto dele, que imediatamente parou a ministração e me chamou lá na frente. Atravessei o enorme salão com o rosto queimando, certa de que iria passar a maior vergonha de toda a minha vida, que o “ralo” seria na presença de milhares de pessoas e até televisionado.Quando me aproximei não sabia se o chamava de Pastor, Apóstolo, Doutor, Sua Santidade ou Alteza, mas para minha surpresa ele abriu um sorriso de orelha a orelha e fez pose, dizendo que a foto sairia bem melhor de perto. A reunião veio abaixo, claro, todos riam e aplaudiam aquele ser tão acessível e encantador.


Acontecimentos assim, somados à esperta e poderosa estratégia de marketing que Terra Nova usa para transmitir suas idéias, atraem para ele quatro tipos de pessoas:


•As carentes de uma figura forte (o povo simples que chora ao chamá-lo de pai).
• As que desejam aprender o modelo para utiliza-los em seus próprios ministérios falidos.
•Aquelas que desejam viver uma espécie de comensalismo espiritual, que vivem de abrir e fechar notebooks para ele pregar, ganhando transporte e restos alimentares em troca, as rêmoras da Visão.

•As sadomasoquistas espirituais. É tanta punição, tanto sacrifício, tanta submissão, que fica óbvio que muita gente se adapta a esse modelo porque gosta de sofrer. As interpretações enfermas do tipo “hoje eu levei um peniel do meu discipulador, então me agüentem que lá vou eu ensinar o que aprendi.”, eram a tônica das ministrações.
Pode acreditar que essas quatro classes de pessoas representam a grande maioria.


3) A concupiscência da carne, concupiscência dos olhos e a soberba da vida


O conceito da Visão Celular mexe demais com o ego, é sedutor, encantador, promissor, põe a imaginação lá no topo, puro glamour. A ganância que existe dentro do ser humano é o tapete vermelho por onde a desgraça caminha. Essa tem sido uma das causas pela queda de tantos e tantos pastores, por causa das promessas de sucesso rápido e infalível.


Renê não sabe com quem está lidando, mas é com gente!


Ele talvez ignore (não que ele seja ignorante) que cada ser humano é um universo e que as informações vão reproduzir respostas completamente inesperadas em cada um.


EU ASSISTI, na terra do Terra Nova, o “tristemunho” de uma discipuladora que, para confrontar e educar uma discípula, havia chegado à loucura de bater nela, para que a mesma parasse de falar em morrer. Esse é o argumento dos incapazes, dos que não conseguem levar cada triste, cada suicida ou deprimido às garras da graça de Cristo, mas que querem se fazer os solucionadores das misérias do povo.


Eu tenho até hoje péssimas colheitas dessa péssima semeadura, assumo meus erros e me arrependo profundamente de cada um deles:


• Quase perdi Jesus de vista
•Minha família ficou relegada ao que sobrava de mim.
•Minha filha mais velha, hoje com 23 anos, demorou um bom tempo para me perdoar por eu ter repartido a maternidade com tantas sanguessugas que me usavam para satisfazer sua sede de poder.
•Minha mãe teve dificuldade para se abrir comigo durante muito tempo porque, segundo ela, só conseguia me ver como a Pastora dura e ditadora. Tenho lutado diariamente para que ela me veja somente como filha.
•Fui responsável por manter minha Igreja em regime escravo (mesmo que isso estivesse numa embalagem maravilhosa), por ajudar a alimentar a ganância de muitos, por não guardá-los dessa loucura.
•Colaborei com a neurotização da fé de muitos, por causa da perseguição desenfreada pela perfeição e por uma santidade inalcançável.
•Fiquei neurótica eu mesma, precisando lançar mão de ajuda psicológica devido a crises interiores inenarráveis, ao passo que desenvolvia uma doença psíquica de esgotamento chamada Síndrome de Burnout*, hoje sob controle.
•Vendi a idéia da aliança incondicional do discípulo com o discipulador, afastando sutilmente as pessoas da dependência de Deus.
•Invadi a vida de muitos a título de discipulado, cuidando até de quantas relações sexuais as discípulas tinham por semana, sem que isso causasse ofensa ou espanto.
•Opinei sobre o que o discípulo deveria comprar ou não, tendo “direito” de vetar o que não achasse conveniente. A menor sombra de discordância por parte do discípulo era imediatamente reprimida, sem qualquer respeito. Quando isso acontecia os demais tomavam como exemplo e evitavam contrariar o líder.
•Aceitei que fosse tirada do povo a única diretriz eficaz contra as ciladas do diabo: a Bíblia. Não que ela não fosse utilizada, mas isso era feito de forma direcionada, para fortalecer os conceitos da Visão. Paramos de estudar assuntos que traziam crescimento para nos tornarmos robôs de uma linha de montagem, manipuláveis, dogmatizados.
•Fomentei a disputa de poder entre os irmãos ignorando os sentimentos dos que iam ficando para trás.
•Perdi amigos amados e sofri demais com estas perdas. Alguns criaram um abismo de medo, que é o de quem nunca sabe se vai ganhar um carinho ou um tapa, um elogio ou um peniel, mas sei que esse estigma está indo embora cada vez mais rápido. Outros me abandonaram porque não aceitaram uma Pastora normal, falível e frágil. Eles queriam a outra, a deusa, aquela que alimentava neles a fome por ídolos particulares.
Dentro da Visão, nossa Igreja esteve entre as que mais cresceram e deram certo na região, mas desistimos porque, acima de todo homem e todo método, somos escravos de Cristo.


Talvez o mais difícil tenha sido a transição do meu eu, a briga daquilo que eu era com o que sou hoje até que se estabelecesse Cristo em mim, esperança da glória.


Prossigo, perdoada pelo meu Senhor, tomando minhas doses diárias de Graçamicina, recriando meu jeito de me relacionar e compreender mais as falhas alheias e as minhas próprias.


Prossigo, reaprendendo a orar e adorar em silêncio, livre dos condicionamentos, admitindo meus cansaços, me permitindo não ser infalível, sendo apenas gente...Pastoragente!


Roselaine Perez


* SÍNDROME DE BURNOUT:Distúrbio psíquico, de caráter depressivo, precedido de esgotamento físico e mental intenso.Se caracteriza por exaustão emocional, avaliação negativa de si mesmo, depressão e insensibilidade com relação a quase tudo e todos (até como defesa emocional). Resultado de um esforço extremo, um desgaste onde o paciente se consome física e emocionalmente, passando a apresentar um comportamento agressivo e intolerante, com predileção para aqueles que mantêm uma relação constante e direta com atividades de ajuda. Ocorre geralmente em pessoas altamente motivadas, que sentem uma discrepância entre aquilo que investem e aquilo que recebem.