sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

O QUE ESTÁ POR TRÁS DO CÓDIGO DA HONRA?


Ultimamente tenho ficado estarrecida diante de tantas declarações horripilantes de um líder consideravelmente reconhecido em nossa nação. Declarações tão desesperadas e absurdas que me fazem pensar sobre o que realmente está por trás dessas afirmações tão divergentes ao que Jesus ensinava em sua simplicidade.

Veja a seguir:
 Twitter no dia 14 de janeiro de 2012

Diante dessa afirmação cheguei a seguinte conclusão, que o que plantamos é o que colhemos mais cedo ou mais tarde e foi exatamente o que ocorreu com este senhor que há alguns anos atrás abandonou a liderança de Cesar Castellanos, levando consigo boa parte dos seus discípulos no Brasil.

Sabendo, que a estratégia de Cesar Castellanos de ganhar, consolidar, treinar e enviar era uma estratégia que dava resultado, o Ap Renê Terra Nova permaneceu com a mesma mudando ligeiramente a marca de G12 (grupo dos 12), para M12 (modelo dos 12).

Contudo, feita a cisão, Renê Terra Nova sabe que está sujeito ao mesmo fim e seu grande temor é ver seus líderes mais destacados abandonarem o seu barco, assim como ele um dia fez com Castelhanos.

Observe que em seu livro "Os 12 modelos e o modelo dos 12", (2010), Rene Terra Nova, explica que o M12 desenvolveu um ministério chamado “Princípio da HONRA", e que esta ferramenta traria segurança e estabilidade a multiplicação para os líderes como válvula de escape para aquele que percebe que seu liderado está se tornando mais forte que ele.

"O maior problema da liderança hoje é que os líderes querem apontar uma grande conquista nos lugares aonde eles nunca foram, e os seus liderados tornam-se mais fortes do que eles. Onde está a válvula de escape de tudo isso? Agora é que está aquilo que chamados de tesouros escondidos. Parece que tudo isso pode tornar-se numa cilada quando na verdade o Modelo dos 12 tem uma ferramenta de princípio que dá segurança e estabilidade ao crescimento e à multiplicação: O princípio da honra. Desenvolvemos um ministério conhecido como princípio da honra que tem dado essa segurança e estabilidade..." (pag 26). (Grifo Meu).

Esta tão falada “HONRA", ou seja esse tal princípio da HONRA nada mais é do que uma maneira de obrigar o liderado a viver todos os seus anos de ministério debaixo de sua cobertura, caso contrário será conhecido como aquele que desonra e traidor. Tudo para tirar a credibilidade desse líder para que ele não tenha coragem de sair jamais de sua cobertura, desta forma, ninguém fará o que ele mesmo fez com César Castellanos.

 Terra Nova escreveu uma "biblioteca" sobre honra e a este único tema dedica diversos seminários por ano.

Pense bem, se todos que estão de baixo de sua cobertura e cresceram abundantemente decidissem sair hoje? O que seria do Ap. Renê, que se considera pai de multidões, patriarca e o novo reformista da atualidade?

Se o real propósito é de fazer discípulos para Jesus, por que tanto desespero em ver um líder sair para seguir um novo propósito para também fazer discípulos para Jesus? Calma aí, no Reino de Deus tem lugar para todos crescerem, se tudo é para Deus ninguém sai perdendo em nada. O nosso Deus tem aliança com todos que se dispõe a fazer sua obra, seja qual for o lugar, aqui ou ali, é Ele que põe e tira. O Reino de Deus não se resume a uma denominação ou organização humana. Deus veio para buscar um povo e não uma denominação. Ele não é um amuleto da sorte que traz honra, prosperidade, poder e fama a quem O possui, e quem não segue ou deixa de seguir a quem possui este amuleto da sorte (Deus) será castigado, pois desonrou ao dono do amuleto, e não é digno de servi-Lo.

Deus não se tornou propriedade de homens, mas o egoísmo e a ganância já subiram a cabeça de muitos e o pior é que seus seguidores reproduzem as mazelas em suas redes sociais. Doutrinas iguais a essas servem para que se cumpra o que Jesus falou; cegos guiando cegos, nem entra e nem deixa as pessoas entrarem no Reino dos céus.
 Com base nesse princípio o líder se tornou o detentor da bênção e da maldição sobre a vida do discípulo, tornando este quase o seu escravo. Não significa que a bíblia não nos mande honrar nossos líderes, nem que não devamos ter compromisso com nossa igreja local, pelo contrário, ela em todo o tempo nos diz que devemos obedecê-los, devemos ouvi-los, e devemos dar honra a todos os que devemos dá-la (Hb 13:7, Hb 13:17, Rm 13:7), mas em nenhum lugar a bíblia coloca a honra como um instrumento que o líder tem para subjugar seus discípulos a uma subserviência cega.

Que cada dia estejamos mais atentos às verdades bíblicas para não sermos confundidos por ensinos tão persuasivos, mas tão diferentes do que a bíblia ensina.

Fonte: Cecília Castro no Genizah
via  http://libertosdoopressor.blogspot.com/search/label/Em%20defesa%20do%20Evangelho

Combatendo o Abuso Espiritual


As ferramentas necessárias para se confrontar o abuso religioso devem ser as seguintes:

Tome cuidado com frases do tipo “você ainda não está na nossa visão”: Não aceite nada que você não possa questionar, querer entender o porquê. A principal heresia que ameaçou a fé foi o gnosticismo que lidava com mistérios, ou seja, verdades que não se podem cogitar entre os humanos. Paulo insistiu em Romanos 12 que o culto cristão é racional.
Não aceite o milagre pelo milagre: Deus não tem necessidade de provar-se, de mostrar que é Todo-Poderoso. Quem precisa mostrar-se é o Diabo, que precisa, o tempo todo, reivindicar o que não é.
Tenha discernimento: Discirna quando se busca a glória de Deus e quando se enaltece a pessoa, basta observar o que se fala no púlpito, auto elogiar-se, segundo Provérbios é vergonhoso, divulgar o quanto se é importante para o projeto de Deus é perturbador.
Perceba se o programa é mais importante que as pessoas: Igrejas que têm uma agenda e saem à caça de gente para fazer a máquina funcionar, corre sérios riscos. A igreja instituição não pode ter agenda, as pessoas sim e a igreja é facilitadora de dons e ministérios.
Observe os propósitos: Anote se as propostas são compulsivas, frases do tipo: “Vamos ganhar o mundo”, ou “vamos ter uma explosão de milagres”, ou, “depois de nosso projeto a história mundial será outra”.
Já sentiu constrangimento ao levar um amigo? Coloque-se no lugar de uma pessoa “do mundo” que visita sua comunidade. Paulo usou desse argumento quando disciplinou o uso de línguas estranhas. Como se sentiria alguém com um senso crítico mais apurado diante do que acontece aqui? E se meu professor da universidade quiser visitar minha igreja?
“Procure apresentar-se a Deus aprovado, como obreiro que não tem do que se envergonhar e que maneja corretamente a palavra da verdade”. 2 Timóteo 2.15
Veja sinais de ostentação:
vaidade, riqueza e mudanças comportamentais do líder à medida que seu ministério se expande e sua reputação corre de boca em boca. Ele ficou intocável?
Você tem medo do líder? Tem medo de que ele possa orar e sua vida ser prejudicada? E se ele se tornar seu inimigo?
Observe as atitudes na prática: Ele se comporta com indiferença diante da luta das pessoas? Dá as costas aos mutilados? Qual a resposta que ele dá para a mulher desesperada porque foi abandonada pelo marido e está sem casa e desempregada? Como ele se aproxima do pai de uma criança com paralisia cerebral? Será que na frente dessas pessoas ele se mostra caloroso mas ao sair dali não perde o costume de criticar dizendo: “já estava na minha hora de ir e essas pessoas não me largavam” ou “está desempregada porque não quer trabalhar”.
FONTE:  http://libertosdoopressor.blogspot.com/search/label/Abuso%20Espiritual
DIÁCONO ARNOLDO BAÍAhttp://www.youtube.com/watch?v=hIxExsXYngk&context=C30cc688ADOEgsToPDskJHKtgW2Hfz0r6y9p69_kGn

terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

SEMEANDO HONRA?


Gostaria de fazer alguns comentários sobre uma doutrina apócrifa que vem ganhando bastante força no meio cristão ultimamente, especialmente na região norte do país, região onde me encontro. Trata-se dos princípios (ou leis) da semeadura e da honra.

Em respeito, não aos falsificadores do Evangelho, mas aos seus discípulos cegos, tentarei ser o mais impessoal possível em minha curta abordagem sobre o tema.

Ambos os princípios caminham juntos e possuem várias ramificações, porém dão destaque especial a questões de ordem financeira, geralmente (mas não somente) interligados ao que chamam de “primícias”. Meus comentários serão direcionados a estes pontos.

Resumidamente, afirmam que:

Através da semeadura você se conecta com o futuro;
O Senhor criou esse princípio para estabelecer a fidelidade e a fé;
Criou a oferta para estabelecer o princípio da honra. E estabeleceu a primícia como princípio de santidade.

Segundo afirma um de seus maiores defensores, os dízimos e ofertas são dados a Deus, para obtenção de prosperidade, mas as primícias são dadas ao líder espiritual (sacerdote) para estabelecer o princípio da honra. Através das primícias o discípulo honra o seu líder e ganha o respeito de Deus, uma vez que estão deixando o “sacerdote” liberado para cuidar das coisas de Deus, sem se preocupar com coisas “elementares”, como seu sustento e o de sua família.

O resultado disso? Enriquecimento dos líderes e uma busca desenfreada de se tornar líder também e ter o direito de ser honrado com “primícias”.

Uma das bases para essa doutrina encontra-se em Ezequiel 44:30:

“E as primícias de todos os primeiros frutos de tudo, e toda a oblação de tudo, de todas as vossas oblações, serão dos sacerdotes; também as primeiras das vossas massas dareis ao sacerdote, para que faça repousar a bênção sobre a tua casa.”

Bem, considerando o caráter antitípico (Hb 10:1) do Antigo Testamento, onde os sacerdotes eram figuras de Cristo, temos hoje um único sacerdote no sentido original do termo, que é Jesus (Hb 5:6; Hb 7; Hb 8). Desta forma, se há alguém ainda digno de receber as primícias do homem, este se chama Jesus.

Entretanto a aliança definitiva que Deus fez com o homem está baseada em promessas superiores (Hb 8:6), assim como devemos entregar-lhes coisas superiores, e não apenas algum percentual de renda, mas a vida inteira (Mt 19:21; Lc 14:26: Hb 9:14).

Por isso Paulo afirma:

“Mas vós sois a geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa, povo de propriedade exclusiva de Deus, para que anuncieis as grandezas daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz”. (1 Pd 2:9)

Tudo em nós pertence a Ele, pois somos sua propriedade exclusiva.

Ora, em última instância, segundo o mesmo texto de 1 Pedro 2:9, hoje somos todos sacerdotes e, sem tentar apelar para falácias, não há qualquer menção bíblica que indique haver entrega de primícias de um sacerdote a outro.

A verdade é que Jesus modificou as relações humanas referente à vida religiosa nos moldes do antigo testamento quando afirmou:

“Vós, porém, não queirais ser chamados Rabi; porque um só é o vosso Mestre, e todos vós sois irmãos. E a ninguém sobre a terra chameis vosso pai; porque um só é o vosso Pai, aquele que está nos céus. Nem queirais ser chamados guias; porque um só é o vosso Guia, que é o Cristo. Mas o maior dentre vós há de ser vosso servo. Qualquer, pois, que a si mesmo se exaltar, será humilhado; e qualquer que a si mesmo se humilhar, será exaltado”. (Mt 23:8-12)

E continua:

“Jesus, pois, chamou-os para junto de si e lhes disse: Sabeis que os governadores dos gentios os dominam, e os seus grandes exercem autoridade sobre eles. Não será assim entre vós; antes, qualquer que entre vós quiser tornar-se grande, será esse o que vos sirva; e qualquer que entre vós quiser ser o primeiro, será vosso servo; assim como o Filho do homem não veio para ser servido, mas para servir, e para dar a sua vida em resgate de muitos”. (Mt 20:26-28)

E ainda:

“Ai de vós, quando todos os homens vos louvarem! porque assim faziam os seus pais aos falsos profetas”. (Lc 6:26)

Desta forma, somos todos sacerdotes e irmãos, nosso Mestre, nosso Guia e nosso Senhor é um só, Jesus Cristo, somente Ele é digno de ser honrado, não apenas com primícias, mas com tudo o que temos e somos eternamente.

Estas doutrinas são totalmente alheias ao Evangelho de Cristo, são aberrações que possuem o claro objetivo de sacralizar a prosperidade e justificar o enriquecimento às custas do serviço cristão, como se “viver do Evangelho” significasse ganhar dinheiro por meio dele.

Quando o Novo testamento fala da prosperidade financeira num sentido proveitoso ele lhe atribui a seguinte perspectiva:

“Aquele que furtava, não furte mais; antes trabalhe, fazendo com as mãos o que é bom, para que tenha o que repartir com o que tem necessidade”. (Ef 4:28)

Ou seja, a prosperidade financeira deve servir na vida cristã para que possamos socorrer o necessitado e ela vem mediante o trabalho. É trabalhando que Deus nos abençoa com prosperidade.

A única coisa que conseguimos entregando primícias para nossos líderes é enriquecê-los, e com isso perpetuamos algo condenado por Cristo, que é a cobiça.

“Porque o amor ao dinheiro é raiz de todos os males; e nessa cobiça alguns se desviaram da fé, e se traspassaram a si mesmos com muitas dores”. (1Tm 6:10)

Ver também Lucas 12:15.


Espero sinceramente que este curto artigo sirva para nos fazer refletir um pouco sobre o tipo de vida cristã que estamos vivendo e se ela está de fato em concordância com o que a Palavra de Deus nos ensina e adverte. E que o amor de Deus nos leve a buscar conhecimento doutrinário exclusivamente em Sua Palavra e que assim aprendamos que espiritual mesmo é amar…

Pena que tenhamos tantos crentes infantis e vivendo fora da palavra, um prato cheio para os lobos e espertalhões de plantão.



Fonte:http://www.nadacontraaverdade.com.br/2011/09/semeando-honra/

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

sábado, 18 de fevereiro de 2012

JESUS NA CÉLULA


Foi um encontro inusitado. Jesus estava passeando pelas ruas de Brasília, passou pela rodoviária do Plano, aquela multidão, ninguém o reconheceu. Viu um jovem a passos largos, bíblia embaixo do braço, se aproximou:


- Olá rapaz! Jesus aborda o jovem que apressa ainda mais o passo.
- Olá moço. Desculpe, estou com pressa. O jovem demonstrou desgosto pela interrupção do estranho.
- Tudo bem, eu que me desculpo pela interrupção. Jesus conhecia os seus pensamentos. Você está indo a algum lugar especial?
- Estou indo para a igreja!
- Indo à igreja?
- É! Frequento a Igreja Pentecostal dos Milagres de Jesus… Pô, eu estou com pressa, o culto já começou, dá para dar licença. O jovem quase começa a correr, tentando se esquivar daquela situação desagradável com o estranho. Alguém que aborda o outro na rua, não deve ter boas intenções.
- Igreja Pente… (imagine a cara de Jesus nesse momento). Posso ir com você?
- Ãããã… Vamos, não tem problema. Mas ai se alguém perguntar você fala que frequenta a minha célula.
- …


Já na entrada do templo ambos são recebidos por um diácono que prontamente indica um local com cadeiras vazias.


- Quem é? Jesus pergunta apontando o diácono com a cabeça.
- É o Diácono Manoel.
- Ahhhh. Ele que cuida dos pobres e zela para que na igreja não tenha nenhum necessitado?
- Hein???? O Manoel? Ele é diácono, não a Madre Tereza. Fica quieto senão ele vem aqui. Pô, nunca veio em uma igreja não? Senta ai…
- Na verdade ir a igreja é um conceito novo para mim, sempre preferi fazer parte do Corpo. Mas e você, como anda sua vida? O que…
- Psssssiiiuuu. O jovem interrompe bruscamente a conversa. Fica quieto ai! O pastor tá pregando lá, tá vendo não?
- Mas, aqui não é a igreja? O local onde se reúnem os filhos de Deus? Onde a família do Pai celestial se junta em um só coração, compartilham suas vidas necessidades, se ajudam mutuamente?
- Cara, de que planeta você veio hein??? Aqui é igreja, tá viajando? A gente vem, escuta a palavra, dá a oferta e vai embora. O jovem acha graça daquele estranho, com idéias totalmente novas e desconhecidas.
- Mas e quando vocês conversam?
- No fim do culto ué! Caaara, vou acabar com problemas por causa dessa conversa. Sou aspirante e o Manoel tá me filmando lá da porta.
- Então quando acaba o culto é que a igreja se relaciona? O culto não é o momento no qual o meu … o Corpo de Cristo manifesta a graça do Espírito? Um tem salmo, outro ensino, outro revelação… e todos falam para edificação mútua?
- Vééééiiii. De onde você tira essas idéias malucas? Para você falar algo tem que ter 12 discípulos, ai se candidata a aspirante. Quando for promovido a oficial pode falar na célula. Meu, pelo menos fala que é da minha célula viu?? Você já me queimou mesmo com essa falação toda. Se ficar de boa eu te levo para conhecer meu líder ai você fala essas paradas com ele.
- Então, na célula vocês compartilham suas necessidades, dons e graça do Espírito?
- Não rapá, a célula é para ganhar mais pessoas para Jesus!!!!
- Ganhar… para Jesus? E depois, o que fazem com quem vocês dizem que ganharam?
- A gente põe eles para abrir novas células, lógico!
- Entendo, foi bom falar contigo. Jesus se levanta no meio da palavra e estende a mão ao jovem.
- Ué não vai assistir o culto?
- Não, obrigado, não sou muito de assistir… vou lá fora cultuar.


O jovem fica triste, pois Jesus saiu antes do apelo e ele viu que perdeu a oportunidade de levar mais um para sua célula. Após o término do culto, a caminho da rodoviária do Plano ele vê Jesus, sentado, cercado de pessoas de má índole, conversando alegremente. Não consegue se segurar:


- Owwww, você não disse que ia sair da igreja para cultuar??? O que está fazendo então cercado desses mundanos pecadores????
Não leve essa história herética a sério. Todos nós sabemos que para Jesus o que fazemos não é novidade!

http://www.nadacontraaverdade.com.br/2011/08/jesus-na-celula/

Fonte: Filho Imperfeito | Por: Marcos Siqueira

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

Pastor rebate Silas Malafaia e afirma que os “pastores idiotas” são bem-aventurados



A defesa à teologia da prosperidade por parte do pastor Silas Malafaia vem suscitando protestos por parte de pastores que discordam de sua postura. Recentemente, o pastor Ciro Sanches Zibordi teceu críticas em seu blog afirmando que “a teologia da prosperidade é uma aberração à luz da Bíblia. É reducionista e prioriza a prosperidade material”.

Agora, o pastor Geremias do Couto escreveu um artigo em seu blog em resposta à declaração de Silas Malafaia, que afirmou em entrevista à revista Igreja que os pastores contrários à teologia da prosperidade são idiotas.

No texto, Geremias usa as “bem-aventuranças” para construir seu argumento e rebater Malafaia: “Bem-aventurados sóis vós, “pastores idiotas”, que, enquanto alguns voam os céus do mundo em modernos jatinhos, trafegam as grandes avenidas em luzentes automóveis e se deleitam nos mármores de grandes mansões, o vosso prazer é estar junto das ovelhas, alegrardes com elas e, se preciso for, dar por elas a vossa própria vida”.

Geremias do Couto afirma ainda que os pastores que mantém suas pregações arcaicas e fiéis serão bem-aventurados por resistirem “aos apelos dos que vos querem enredar com o brilho do ouro que perece, porque vós bem sabeis que é vosso dever continuardes a ensinar às suas ovelhas ‘que façam o bem, enriqueçam em boas obras, repartam de boa mente, e sejam comunicáveis’ (1 Timóteo 6.18). Saibais que outros ‘pastores idiotas’ iguais a vós foram já recebidos na glória e aguardam o precioso galardão”.

Confira a íntegra do artigo “As bem-aventuranças dos ‘pastores idiotas’”, publicado pelo pastor Geremias do Couto em seu blog:

Bem-aventurados sois vós, “pastores idiotas”, quando fordes xingados com este epíteto simplesmente por acreditardes no que disse Jesus: “Não ajunteis tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem consomem, e onde os ladrões minam e roubam” (Mateus 6.9). Tal ato insano, ao invés de vos maldizer, mostra que ainda estais firmes na verdade.

Bem-aventurados sois vós, “pastores idiotas”, que não sucumbistes aos “encantos” da teologia da prosperidade por compreender que “os que querem ser ricos caem em tentação, e em laço, e em muitas concupiscências loucas e nocivas, que submergem os homens na perdição e ruína” (1 Timóteo 6.9). Não vos entristeçais, nem penseis que estais sozinhos. Há muitos outros “idiotas” convosco, inclusive o apóstolo Paulo.

Bem-aventurados sois vós, “pastores idiotas”, por não vos curvardes aos arautos que vos maltratam em virtude de crerdes que aos ricos deste mundo a Palavra de Deus ordena: “Não sejam altivos, nem ponham a esperança na incerteza das riquezas” (1 Timóteo 6.7). Tal maldição é, na verdade, um reconhecimento de que pondes a vossa confiança não nas riquezas desta vida, mas na abundância que vos é dada para a glória de Deus.

Bem-aventurados sois vós, “pastores idiotas”, que resistis aos apelos dos que vos querem enredar com o brilho do ouro que perece, porque vós bem sabeis que é vosso dever continuardes a ensinar às suas ovelhas “que façam o bem, enriqueçam em boas obras, repartam de boa mente, e sejam comunicáveis” (1 Timóteo 6.18). Saibais que outros “pastores idiotas” iguais a vós foram já recebidos na glória e aguardam o precioso galardão.

Bem-aventurados sois vós, “pastores idiotas”, porque não perdestes a visão da semeadura e, por isso mesmo, sabeis que não se ganham almas com o glamour das riquezas humanas, mas com a sementeira do evangelho. Sem esquecerdes da advertência da parábola do semeador, que diz: “Os cuidados deste mundo, e a sedução das riquezas sufocam a palavra, e fica infrutífera” (Mateus 13.22).

Bem-aventurados sois vós, “pastores idiotas”, por não perfilardes o triunfalismo da pregação humanista, centrada no homem, que enriquece a quem prega e defrauda a quem ouve. Ainda que vos pareça estardes “fora do modelo contemporâneo”, alegrai-vos porque continuais apegados ao modelo bíblico, que diz: “Mas longe esteja de mim gloriar-me, a não ser na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, pela qual o mundo está crucificado para mim e eu para o mundo” (Gálatas 6.14).

Bem-aventurados sois vós, “pastores idiotas”, que embora injuriados pela vossa pregação “arcaica”, ainda carregais no bolso do vosso coração a credencial de servo do Altíssimo, enquanto alguns já a trocaram pelas credenciais de semideus, arrogante e soberbo e usam-na ao sabor das circunstâncias para se locupletarem em cima da lã de suas ovelhas.

Bem-aventurados sóis vós, “pastores idiotas”, que, enquanto alguns voam os céus do mundo em modernos jatinhos, trafegam as grandes avenidas em luzentes automóveis e se deleitam nos mármores de grandes mansões, o vosso prazer é estar junto das ovelhas, alegrardes com elas e, se preciso for, dar por elas a vossa própria vida. Não vos esqueçais que outros “idiotas” iguais a vós se encontram já no Reino do Pai.

Bem-aventurados sois vós, “pastores idiotas”, que preferis o “prejuízo” da coerência, da fidelidade a toda prova aos princípios imutáveis da Palavra de Deus, do que sucumbirdes – ainda que tentados – às lentilhas que se vos oferecem para amenizar eventuais necessidades imediatas. Mais vale o pão dormido da consciência tranquila do que os banquetes da consciência aprisionada.

Bem-aventurado sois vós, “pastores idiotas”, pelo modo como sois tratados por amor do nome do Senhor e por não vos enredardes pelo brilho passageiro da glória humana. Não sois melhores por isso, mas também não sois piores. Todavia, enchei o vosso coração de alegria porque o vosso nome faz parte da galeria dos heróis da fé que professam somente a Cristo e têm Deus como o bem maior da vida. Tende como lema o que Paulo ensinou: “Regozijai-vos sempre no Senhor; outra vez digo, regozijai-vos” (Filipenses 4.4).

Assina um “idiota” como todos vós.
FONTE:http://noticias.gospelmais.com.br/